Resenha | Batman: Asilo Arkham

Fala, galerinha do mal, beleza?

Vocês já leram Batman: Asilo Arkham?

Quadrinho originalmente publicado em 1989, escrito por Grant Morrison e ilustrado por Dave McKean. Asilo Arkham é um quadrinho incomum do Homem-Morcego; sua peculiaridade se encontra nas belíssimas ilustrações/designs, incrivelmente fabulosas e perturbadoras de McKean, e no roteiro completamente maluco (e genial) de Morrison. É uma história que mexe muito com o psicológico, tanto do Batman, quanto de seus inimigos, em especial o Coringa.

“Mas eu não quero me encontrar com gente louca”, observou Alice.
“Você não tem como evitar”, replicou o Gato. “Todos nós aqui somos loucos. Eu sou louco. Você é louca”.
“Como sabe que eu sou louca?”, indagou Alice.
“Deve ser”, disse o Gato, “ou não teria vindo aqui”.

Lewis Carroll, em Alice No País Das Maravilhas.

Alguém libertou todos os insanos do Asilo Arkham. Agora, libertos, todos esses doentios personagens provocam um show de horrores dentro do manicômio. Para cessar com a anarquia, o Coringa exige a presença do Batman no local, para que possa convencer o Morcego, de uma vez por todas, que ele não é diferente dos demais. A loucura e a insanidade estão presentes na mente do Cavaleiro Das Trevas. Será que o lugar do Batman é junto dos demais malucos da cidade? Seria o Asilo Arkham o verdadeiro lar do Morcego? Essa história aprofunda em conceitos e ideias não aproveitadas, indo fundo na psiquê do personagem, e de seu núcleo narrativo.

Algo genial que Morrison introduz na história, é a personalidade do Coringa. Já perceberam, que nos muitos anos de publicação da DC Comics, o Coringa foi retratado com diferentes personalidades? Não só nos quadrinhos, em outras mídias, como cinema e televisão, podemos ver essa nítida diferença em algumas abordagens. Nas publicações da editora, o Coringa da Era De Ouro é diferente do da Era De Prata, que é diferente do da Era De Bronze, que é diferente do Coringa atual. Durante os anos 50, um código de censura foi instaurado nos quadrinhos, proibindo que os mesmo fossem violentos, e não-educativos. Conclusão, as histórias se tornaram mais infantis. Apenas entre o início e meados dos anos 70, essa censura foi por água abaixo.

Morrison, na história, explica de uma maneira magistral, com um único diálogo, porque o personagem que hora foi um palhaço brincalhão, outrora estava baleando e estuprando a Batgirl (sim, essa é a minha interpretação de A Piada Mortal), pode conter essas múltiplas personalidades (embora muito do pré-Crise tenha sido descartado).

“Diferente de mim ou de você, o Coringa não parece ter controle sobre as informações sensoriais que recebe do mundo externo. Sua mente pode lidar com a barragem caótica de estímulos deixando-se levar pelo fluxo. Por isso, em alguns dias ele é um palhaço infantil e, em outros, um psicopata assassino. O Coringa não tem uma personalidade verdadeira.”

A trama se baseia em um tuor pelo manicômio, mostrando vários outros vilões clássicos do Batman, como Duas-Caras, Crocodilo, Chapeleiro Louco, etc. O quadrinho também faz uma homenagem à grande obra de Lewis Carroll, Alice No País Das Maravilhas, não só nas frases escolhidas por Morrison e colocadas nas páginas inicial e final da obra. A trama também lembra um pouco a história de Alice, visto que a personagem passa por um eventual passeio em um mundo permeado por personagens loucos, se perguntando a todo momento se ela pertence ou não àquele lugar.

Além do chamado do Coringa, existe outra razão para o Morcego estar ali. A pessoa responsável por toda essa confusão, indiretamente, quis a presença do Batman. Morcegos… Tudo culpa dos morcegos!

Na história ainda temos a oportunidade de conferir, paralelamente, a jornada de Amadeus Arkham, o fundador do manicômio. Somos apresentados à sua pessoa, seus pensamentos e traumas, além de conhecermos como ele virou um próprio residente do Asilo. Sua loucura foi impulsionada por terríveis acontecimentos. Asilo Arkham é uma pequena história, com uma grande genialidade. Quer ter uma leitura totalmente maluca, perturbadora e divertida ao mesmo tempo? Esse quadrinho do Batman é ideal, com toda certeza da mundo!

Bem… isso é tudo, pessoal. Beijo no cotovelo e tchau.

Posted Under
  • nemo

    Se Dave McKean tivesse nascido no século 17 seria tão importante quanto um Velázquez. Mas sabe como é.

    Obra prima.

  • Será? Ele é mesmo um artista talentosíssimo!!!
    Uma obra prima, sem dúvida!

  • Deathstroke

    Grant Morrison. A pessoa mais viajada nas ideias que você respeita.
    Ótima resenha Jipeiro.

  • Obrigado, Deathstroke!

    Grant Morrison, pouco antes de escrever suas histórias…
    https://findmarijuana.files.wordpress.com/2015/11/kermit-stoner-gif-weed-memes.gif

  • Aragorn II, son of Arathorn

    Foi um dos primeiros quadrinhos que li. Não me lembro de muita coisa… acho que Grant Morrison era viajado demais para mim na época. Vou ver se leio novamente…
    Essa arte do Dave McKean é incrível!

    Excelente resenha, Jipeiro!

  • Muito obrigado, Aragorn!
    E olha que nesse quadrinho o Morrison tá com uma “coleira”! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Ele é foda… kkkkkkkkkkkk
    O McKean é outro gênio, um dos muitos artistas pertencentes à invasão britânica (assim como o próprio Morrison).

  • Deathstroke

    É assim mesmo. Acrescentaria mais algumas coisinhas…

  • Aragorn II, son of Arathorn

    Até de coleira ele ”corre” mais que os outros… hahaha! O cara é foda, assim como o McKean!

  • kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Fez cagadas já, mas é um gênio, sem dúvidas!

  • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    LSD, né?

  • Deathstroke

    Não só isso.
    Acho que o Grant Morrison já usou todas as dorgas que existem no mundo.

  • nemo

    Hahahaha, pior que no doc sobre ele, o mesmo fala numa boa sobre essa fama. Mas ele admite que é foda ler que “Morrison fez tal coisa sobre o efeito do craque.” haha, mas existe um editor. E mesmo a Bat Vaca passou por ele.

    Pra isso ser mais perfeito, só faltou uma cerveja na mão.

    https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/60/7c/3d/607c3d46903e876f4758d313282c9311.jpg

  • nemo

    Com certeza, de mescalina a yagé!

  • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Eu não duvido! kkkkkkkkkkkkkkkk

  • Deathstroke

    Tô quase copiando na Wikipédia todas as dorgas que existem no mundo pra plubicar quais ele usou (Se bem que o cara deve ser um especialista nisso já que usou todas).

  • Johnny Ramone

    Ótima resenha seu palhaço que desconhece Manowar.
    Essa está na minha lista de HQs que eu preciso ler.

  • Deathstroke

    Ele, o Neil Gaiman e o Alan Moore são muito loucos na droga kkkk
    É tipo o Trevor, Michael e o Franklin do GTA 5 kkkkkkkkkk

  • kkkkkkkkkkkkkkkkk
    Coitado, mas essa fama ele carregará para sempre… kkkkkk

    Grandes Astros Superman… UMA OBRA PRIMA INSUPERÁVEL!

  • Essa história é bem curtinha, seu merda. Você lê ela em uma cagada. Vale muito a pena, e é, sem dúvida, uma das melhores histórias do Morcego.

    Monowar? Eu não sei mesmo o que é essa merda. Explique!
    Obrigado, sua bunda cagada!

  • Deathstroke

    Umas das melhores histórias do Superman.

  • kkkkkkkkkkkkkkkkk
    Alan Moore é meio controlado nas drogas, mas também não duvido que ele já tenha usado. DE ONDE SERÁ QUE VEM ESSA CRIATIVIDADE TODA??? kkkkkk

  • Deathstroke

    Alan Moore é o mais controlado.
    Foi pesquisar na Wikipédia os trabalhos do Gaiman e descobri que ele já escreveu mais ou menos 14 livros para crianças. Dá pra acreditar?!

  • Johnny Ramone
  • Pra mim, é a melhor de todas! Insuperável!
    Estou preparando uma resenha bem especial pra ela.

  • Sério??? Que foda! kkkkkkk
    Tem uns contos infantis de Sandman, seriam esses?

  • Deathstroke

    Boa pedida. Minha primeira resenha do Superman vai ser “O Último Filho”.

  • Deathstroke

    Não conheço.
    Vai o Link sobre ele na Wikipédia:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Neil_Gaiman

  • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    MANO, QUE PORRA FOI ESSA???

    Agora explica o que é Manowar, porque até agora eu não sei…

  • Deathstroke

    Deve ser um cantor.

  • Essa história é incrível também. Só tive acesso à ela devido a coleção da Eaglemoss. Johns arrebenta, e mostra pra todo mundo como entende bem a personalidade do personagem (assim como Origem Secreta). Bem, estarei aguardando sua resenha!

  • nemo

    Esse é alquimista. Morrison é xamã.

    ( ͡° ͜ʖ ͡°)

  • Vi aqui, são romances infantis sem ligações com Sandman. Bem, devem ser boas histórias. Nunca li.

  • Deathstroke

    Vou fazer a resenha graças a coleção.
    Estou fazendo a coleção e vou fazendo várias resenhas sobre as histórias (Não vou fazer sobre todas).
    Pretendo fazer uma resenha da Marvel depois da DC.
    Tenho planos de fazer resenhas uma vez por semana, mas isso depende do Angel publicar.

  • Deathstroke

    Eu também.
    Ler uma história dele e do Morrison tem o mesmo efeito de assistir Matrix.

  • Ahhhhh, sim.
    Por que você não conversa com ele pra ganhar seu próprio perfil de redator para publicar suas resenhas?

  • Ou então uma gíria que só metaleiro entende… kkkkkkkkkkkk

  • Deathstroke

    Ele acha que muita responsabilidade pra mim por eu ser muito novo.

  • Deathstroke

    Nunca vamos saber o quê os metaleiros falam. É praticamente uma outra língua.

  • Ahhhhh, sim.
    Mas relaxa, com o tempo você vai ganhar a confiança dele. Dê tempo ao tempo.

  • Deathstroke

    Claro.

  • Matt The Radar Technician
  • Deathstroke
  • Matt The Radar Technician

    Ok, nem todo mundo tem a genialidade pra entender Manowar. Manowar não precisa se conformar com os padrões de masculinidade. Manowar DITA os padrões de masculinidade.

    Manowar é sinônimo de Masculinidade.

    Agora sério, por mais que pareça bizarro os caras são corajosos pra caralho.

  • Deathstroke

    Até os caras do Village People parecem ter mais masculinidade.

  • nemo

    Esse doc é bem interessante. ele revela muita coisa.

    http://www.imdb.com/title/tt1570101/

  • Matt The Radar Technician

    Bro, você ainda nem passou pela puberdade.

  • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Débora, esses caras têm que ter MUITA coragem mesmo!

  • Deathstroke

    Revela as dorgas que o cara usou?

  • Olha, eu não posso concordar, nem discordar… kkkkkkkkkkkkk

  • Deathstroke

    Se puberdade for tudo o quê falam tô começando a ficar com medo disso.

  • Deathstroke

    É melhor pra você kkkkkkkkkkk

  • Matt The Radar Technician

    Minha puberdade foi muito diferente do que a sua vai ser, mas acho que é um consenso de que é horrível. Boa sorte.

  • Deathstroke

    Puberdade começa com quantos anos mais ou menos?
    Só pra garantir mesmo…

  • Matt The Radar Technician

    Eu gosto da teatralidade na música de vez em quando. Acho que pode ajudar a criar um clima.

  • Deathstroke

    Indiana Jones e Nathan Drake são galinhas perto desses caras kkkkkkk

  • Nunca tinha ouvido falar desse documentário. Vou procurar pra ver se acho legendado. Se achar, com certeza irei baixar.

  • Bem, na maioria das vezes a teatralidade ajuda a criar um clima agradável!

  • Dra. Caitlin Summer

    Amo Asilo Arkham. Mas esse Coringa chegava a me dar medo. A arte é perturbadora demais.

  • nemo

    Acha legenda fácil 🙂

  • Até o Serjão matador de onça não é páreo pra esses caras… kkkkkkkkkkkkkkk

  • Deathstroke

    Aqui tem coragem! eita pô! É o IBAMA. Ferrou Bahia #peideiesai

  • nemo

    Ele fala sobre experiências místicas, transcendentais, rituais. Não é só droga que rola nessas paradas.

  • Também amo essa história!
    Dave McKean conseguiu fazer o Coringa mais assustador e visualmente perturbado da história (e olha que a concorrência é grande).

  • Deathstroke

    Drogas e Macumba. Que segredos que Grant Morrison também esconde? Hoje, no Globo Repórter.

  • Deathstroke

    Eu tenho medo é do Coringa do Leto. Onde já se viu Coringa tatuado.

  • Dra. Caitlin Summer

    Que susto desse gif. Achei que realmente tinham colocado um muppet drogado na tv.

  • Deathstroke

    Esse não é um Muppet. É o Grant Morrison se preparando pra escrever kkkkkkk

  • Matt The Radar Technician

    Depende da pessoa. Normalmente é entre 11 e 18 anos.

  • Coringa do Leto não assusta nem recém nascido, mano! kkkk

  • Rodrigo

    Excelente resenha, meu amigo – como sempre. Não está entre as minhas histórias prediletas do Batman, acho a arte bem superior à história em si, mas é um clássico, especialmente por ser uma das primeiras histórias a explorar a fundo essa evidente faceta de loucura da maior parte dos inimigos do Homem-Morcego, que é um dos aspectos mais interessantes da sua galeria de vilões.

  • Deathstroke

    Posso chegar no resultado de que estou um pouco antes da data…

  • Adoro esse gif do Kermit se drogando. Sempre tive a impressão que ele fazia isso nos bastidores do programa… kkkkkkkkkkkkk

  • Kal-El de Krypton

    Pra quem não leu, leia, mas se preparem pra umas das historias mais perturbadoras ja vistas em um quadrinho, principalmente em relação a historia de Amadeus Arkham.

  • Deathstroke

    Pô, é o MCCorinmê. Tem que ter medo.

  • Deathstroke

    Meu Deus kkkkkkk

  • nemo

    Nossa, que “atitude”.

  • nemo

    É metal farofa!

  • Kal-El de Krypton
  • Acabei de achar! Agora é só baixar o filme!

  • Kleber Oliveira

    Ótima resenha, camarada. Sempre vejo o quadrinho por aí nas bancas mas os reviews não me animam. Sempre tenho vontade de comprar devido aos nomes do envolvidos e a arte fantástica. Parabéns pelo texto.

    Ah, sempre que eu leio esse trecho de Alice no País das Maravilhas eu consigo lembrar exatamente da voz da dubladora, não bem a razão mas esse trecho é marcante para mim.

  • Kleber Oliveira

    Merda? Ei, respeita os Reis do Metal, cara.

  • Matt The Radar Technician

    Finalmente chegou alguém entendido.

  • Deathstroke

    Não só de Metal mas como também da masculinidade.

  • nemo

    Quando penso em Manowar eu lembro disso:

    https://www.youtube.com/watch?v=gI6sARmxEuc

  • Kleber Oliveira

    Manowar está além da sua compreensão de masculinidade, meu caro.

  • Kal-El de Krypton

    Transbordam testosterona.

  • Deathstroke

    Claro.

  • Deathstroke

    Está acima da compreensão de todos nós.

  • Kleber Oliveira

    Tá foda ler esses comentários, hein.

  • Kal-El de Krypton

    Eu sempre me achei muito macho mas esse Manowar mudou meus parâmetros.

  • Deathstroke

    Acabei de ouvir 3 músicas. Pra cada uma tive que raspar a barba.

  • Kleber Oliveira

    Está começando a entender.

  • Esqueci que ele está com um nick de respeito. Pena que o Dave é um merdão. Johnny ficaria decepcionado… kkkkkkkkkk

  • Deathstroke

    Do mesmo jeito que a resposta pra tudo é 42.

  • Kleber Oliveira

    Não sou fã dos Ramones.

  • Muito obrigado, Rodrigo!
    Concordo! É incrível esse ponto onde o Morrison explora a loucura dos antagonistas do Morcego. Eu considero como uma das melhores histórias do Batman, mas concordo que o roteiro não é lá grande coisa, e que a arte se sobressai!

  • Matt The Radar Technician

    Fale não, tô pensando em fazer uma saída dramática do Disqus.

  • Kal-El de Krypton

    Perai o pessoal do Village People é gay ?

  • Não poderia concordar mais. É incrível como essa trama paralela focada no fundador do Arkham prende o leitor tal como a trama principal. E a fatídica história de vida do Amadeus é bem entristecedora.

  • Deathstroke

    Eu num sei. Mas quem sou eu pra julgar? Kkkkk

  • Kal-El de Krypton

    Não da pra culpa o cara pelo eletrochoque no Mad Dog.

  • Muito obrigado, Kleber!
    Bem, pode comprar sem medo. Como eu disse no post, é uma história totalmente maluca, perturbadora e divertida ao mesmo tempo. Eu considero como uma das melhores do Morcego.

    kkkkkkkkkkkk
    Eu também sempre leio esse trecho lembrando da voz da dubladora (do filme do Tim Burton, no caso).

  • Kal-El de Krypton

    Mas é do Manowar ?

  • Kleber Oliveira

    Nada, só desistir desses seres humanos.

  • Deathstroke

    São os deuses da masculinidade.

  • Kal-El de Krypton
  • Não dá mesmo!
    Eu faria coisa até pior com o cara que assassinasse minha esposa…

  • Kleber Oliveira

    Ah, eu me lembro da dubladora da animação mesmo. O jeito que ela fala é muito inocente e engraçado. Sem contar que o texto em si jeito é muito bom.

  • Nunca assisti à animação. Sempre tive vontade, no entanto.
    Você gosta do filme do Tim Burton?

  • Kal-El de Krypton

    Mas a filhinha do cara que foi o golpe baixo, nunca achei que veria um coisa assim.

  • Nem eu, mas tenho que respeitar quem é, até porque, é uma das maiores bandas de todos os tempos.

  • Kleber Oliveira

    Não. Tanto não gostei que nem me interessei pela continuação.

  • Kal-El de Krypton

    escutando isso acabou de crescer cabelo no meu peito

  • Você tá brincando, né?
    Por favor, diga que isso é uma brincadeira!

  • Matt The Radar Technician

    Não seria dramático o suficiente.

  • Deathstroke

    Acabei de virar o Tony Ramos.

  • Kleber Oliveira

    Isso sim.

  • Gays? Eles extrapolam o nível da viadagem. Nada contra, mas é verdade.

  • Kal-El de Krypton

    Eu sei só tava de zuera mesmo. Diferente de Manowar, que faz até seus cabelos do peito (e outras partes) crescer.

  • Eu gostei do filme, mas não sou um grande fã da história, então entendo sua frustração. Até hoje não assisti a continuação também.

  • Kleber Oliveira

    Com certeza.

  • Deathstroke

    Pô, adoro Macho Man. Quem ouve essa música é muito macho. Tem até macho no nome.

  • Matt The Radar Technician

    Tô ficando velha e rabugenta demais pra isso, Jeepers. Eu já era chata e só tende a piorar.

    Agora é juntar pra comprar meu chalé no interior da Inglaterra, virar ermitã e assustar as crianças da cidade. Meu sonho de carreira.

  • Kal-El de Krypton

    Como não gosta de um exemplo de masculinidade, especialmente nesse mundo de hoje.

  • kkkkkkkkkkkkkkkkk
    Eu ri. Mas estou triste ao mesmo tempo. Espero que não nos abandone.

  • Kal-El de Krypton

    Pois é como uma musica chamada Macho Man, não é coisa de macho.

  • “Só macho faz assim!”
    – MENDES, Jailson.

  • Deathstroke

    Depois de ouvir aquela música a pessoas vira o Fera dos X-Men.

  • Kleber Oliveira

    O visual do Tim é fantástico, só acho que o roteiro não tem nada da magia que o livro ou até mesmo a animação tem.

  • Rodrigo

    É um dos melhores aspectos do universo do Batman, e ele soube explorar isso com maestria, indicando caminhos que até hoje são usados à exaustão…rs

  • Deathstroke

    Era essa peça que você queria?”
    Mendes, Jailson.

  • Kal-El de Krypton

    Da vontade ir pra uma academia, ficar fortão só pra mostra os…glúteos…

  • Eu nunca li o livro, e como disse, nunca assisti à animação, mas se você está falando, acredito!
    O visual do cara é fantástico mesmo, isso ninguém discorda.

  • Deathstroke

    #academiaouvindomanowarevillagepeople

  • Matt The Radar Technician
  • Deathstroke

    Deus me livre guarde.

  • Kleber Oliveira

    HAHAHAHAHAHAHA

    O meu seria aceitar um incentivo do governo canadense e andar pelas ruas com corpse paint. Depois era só encomendar as cervejas.

  • “Era essa mêmo. Mas eu não vou colocar essa porra também, não. Agora eu quero relaxar.”
    – Cauã.

  • Kal-El de Krypton

    Mas que delicia é essa que ta rolando nesse tópico ?

  • Kleber Oliveira

    Teve uma pergunta aí no meio?

  • Concordo!
    Não sei se isso irá se saturar com os anos (se é que já não está saturado), mas eu adoro ver abordagens dessa temática.

  • Kal-El de Krypton

    Não só uma afirmação, sobre esses titãs da testosterona.

  • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAIIIIIIIIIII… CARALHO!

  • Para com isso! kkkk

  • Deathstroke

    O Brasil tem os melhores filósofos. Principalmente o Píton.

  • Deathstroke

    EU TÔ CHORANDO AQUI!

  • Kal-El de Krypton

    Qual outro filósofo manteria a Liga unida ?

    https://www.youtube.com/watch?v=1vLad4axrTw

  • Matt The Radar Technician

    Meu retrato favorito aí.

    Eu sinceramente queria sair do Disqus, mas sou muito fraca hehehe. Não consigo deixar de vir aqui por mais irritada que eu fique.

  • Deathstroke

    Além de adorador Fideo Castro é também recitador de Píton, que tem como discípulo nada mais nada menos que Karl Max. Esse é o melhor herói que existe kkkkkkk

  • Matt The Radar Technician

    Fale do Canadá não que eu tô indo pra lá no fim do ano e tô aterrorizada.

    Corpse Paint dá muito trabalho e deve gastar muito demaquilante.

  • Ainda bem <3

  • Kal-El de Krypton

    Gato bonito, parece um que tem aqui em casa.

  • Kleber Oliveira

    Aterrorizada? Explica aí.

    Devido ao frio, o Corpse viraria um Skull Paint.

  • Matt The Radar Technician

    Deixar a família, os amigos, a cidade, a casa, toda a familiaridade por no mínimo dois anos. Medo de não adaptar, de adaptar demais e ter que voltar, de morar sozinha e morrer engasgada numa azeitona e só encontrarem meu cadáver um mês depois, etc.

  • Kleber Oliveira

    Ué, treinamento para um ermitão. (:

    Já chegou a viajar sozinha antes? Acho que os primeiros passos para se desgrudar é começar com pequenas viagens. Só a disposição de ir já ajuda bastante a se adaptar, ter esses medos é normal. Exceto pela especifidade do último, que foi algo intrigante.

  • Johnny Ramone

    Não vou explicar porra nenhuma porque pra mim você não é nada.
    Você é um palhaço,um palhaço que não conhece Manowar.

    EI! JIPEIRO!
    VAI TOMAR NO CU!

  • Johnny Ramone

    O cara vêm se referir ao Manowar como “merda” e ainda quer que eu calmamente explique pra ele o que é.
    Ah,vai pra puta que o pariu kkkk

  • Justiceiro

    Ótima resenha Jipeiro, Grant Morrison é o cara! Até hoje não sei o que é melhor nesta história: A narrativa ou a arte. Em minha opinião, de todas as histórias que o Coringa está presente essa é a segunda melhor, perdendo apenas para A Piada Mortal. Não fugindo um pouco do assunto, quando soube que The Batman poderia se passar no Asilo Arkham logo pensei que essa história seria adaptada pro filme.

  • Muito obrigado, Justiceiro!
    Ele é o cara mesmo! Eu também concordo que essa é a segunda melhor história que o Coringa está presente, também perdendo para A Piada Mortal (e olha que a concorrência é grande: O Homem Que Ri, Cavaleiro das Trevas, etc).

    Bem, seria meio complicado adaptar essa história. Ela é muito mais psicológica do que freneticamente dinâmica, de fato, dificultando um blockbuster, que preza ação em primeiro lugar, tentar transmitir toda a ideia e insanidade dessa trama. Se o filme do Morcego for mesmo se passar no Asilo Arkham, aposto em uma pegada bem diferente dessa, porém, seria INCRÍVEL ver alguns vislumbres dessa história no filme. Diálogos e abordagens de alguns personagens, por exemplo.

  • Angel

    Bela resenha amigo. Realmente principalmente as artes do coringa são perturbadoras mesmo, vou conferir com certeza essa historia, gosto de coisas diferentes. E alias essa arte do Dave McKean combinaria bastante com a proposta de Sandman.

  • Justiceiro

    Não sei o que você acharia dessa minha ideia, mas e se o Espantalho no filme atingisse o Batman com o gás do sono e o Batman por alguns minutos enxergasse que nem a arte do quadrinho? Acho que temos efeitos de sobra pra isso.

  • PUTA QUE PARIU! WARNER, CONTRATA ESSE CARA!
    Mano, essa ideia é genial! Imagina só?
    Tá vendo? Por isso que eu sou seu fã!

  • Mas é sério, mano. Sua ideia foi GENIAL.
    Caramba, como eu queria ver isso no cinema (e desse jeito que falou, seria foda)!

  • Justiceiro

    Você que sempre tem boas ideias.

  • Fredi Cruéger, A Bruxa

    Quando vc termina de ler uma incrível resenha do Jipeiro e lembra que ela estava na Saraiva, em promoção e vc como babaca não compra…..

  • Muito obrigado, Angel.
    São incrivelmente perturbadoras (do jeito que tem que ser).
    Será? Eu também acho!

  • Obrigado pelos elogios, Ghostface!
    Não se sinta assim… Você pode ler pela internet sem pagar nada, né? kkkkkkkkkkkkkk

  • Com o Morrison é 8 ou 80, não tem jeito. Eu vejo inúmeras pessoas falando a mesma coisa que você pela internet a fora. Pra mim, ele está entre os gênios contemporâneos dos quadrinhos, embora não seja, nem de perto, o melhor deles. Eu gosto de coisas malucas, deve ser por isso! kkkkkkkk

    Adorei a citação que colocou de Alice. Você já leu o livro, seu marveco safado?

    Essa pergunta é complicada. Digamos que eu não tenho um rumo fixo, embora queira chegar em um lugar agradável. Talvez eu seja desses que se deixam levar pelo fluxo.
    E você, Pedro, aonde quer chegar?

  • Fredi Cruéger, A Bruxa

    Eu e a leitura na internet não temos uma boa relação, se pode dizer assim…

  • Eu tinha esse problema antigamente também. Mas com o tempo fui acostumando. De uns 2 anos pra cá leio mais scans do que quadrinhos físicos.

    Off: Já já eu passo lá no seu post.

  • Angel

    Acabei de ler agora a tarde, sensacional.Uma obra de arte que não vejo o pessoal comentar, so soube por voce mesmo. A arte se sobressai sobre o enredo mesmo. O Coringa mais assustador, que uma pena não veremos algo assim nos cinemas, teremos que engolir o gangster

  • Sério? Bem, objetivo concluído! kkkkk

    A arte é o que mais se destaca, sem dúvida. Eu também fico triste em saber que o Coringa dos cinemas não chega nem aos pés do Coringa retratado nessa, e em muitas outras histórias. Infelizmente, teremos que engolir o Leto, de uma maneira ou de outra…

  • Angel

    Sim sério, é curta então leio rapidinho kkkkkk. Espero que substituam este Coringa , se no MCU substituíram o Rhodes ele pode ser substituído também.

  • Johnny Ramone

    Cara,ainda estou abalado pelo Asilo Arkham,estou me sentindo morto por dentro.
    Mas isso é bom,eu tava planejando um post sobre as músicas mais tristes de Rock/Metal,agora eu to no clima pra trabalhar nele.

  • Então aproveite e monte seu post. É sempre bom estar inspirado! kkkkk

  • Beleza, Wolverone, irei aguardar seu comentário! Tomara que goste da história!

  • John Marston

    Das que eu comprei, li apenas O Que Aconteceu ao Homem de Aço (incluindo as duas histórias extras), Surfista Prateado: Parábola e Wolverine: Arma X.

    Me falta tempo, pra vim aqui e comentar sobre elas detalhadamente e com mais calma. rs

    Acho que a próxima que eu vou ler vai ser a do Lobo (ou Superman: Brainiac).