Crítica | Homem de Ferro (2008)

Em 2008 um questionamento foi gerado, como introduzir ao público um personagem desconhecido e ainda gerar lucro? A resposta se encontra em cinco fatores fundamentais: Robert Downey Jr, Jon Favreu, o time de roteiristas formado por Mark Fergus, Hawk Ostby, Art Marcum e Matt Holloway, e o produtor Kevin Feige e futuro presidente da Marvel Studios.

A Marvel, tendo vendido o direito de seus personagens mais populares para os grandes estúdios e acompanhando de perto as idas e vindas dos filmes de seus super-heróis, resolveu apostar em um personagem desconhecido, ao criar seu próprio estúdio visando o equilíbrio do que havia sido feito até então, Homem de Ferro que foi um desafio do gênero de super-herói.

As características do Tony Stark das HQs se encontram presentes na sua contraparte do filme em live action, obviamente algumas atenuadas devido à possível não aceitação do público. É espantoso como Robert Downey Jr. consegue nos fazer torcer por um sujeito arrogante, egocêntrico, egoísta que ao longo do filme se transforma no herói que amamos hoje.

A trama começa quando o gênio, bilionário e playboy Tony Stark, que herdou do seu pai o empreiteiro de defesa Indústrias Stark, está no Afeganistão dilacerado pela guerra, com seu amigo e Tenente-Coronel James Rhodes, para demonstrar o novo míssil “Jericho”. Após a demonstração, o comboio é emboscado e Stark é gravemente ferido por uma de suas próprias granadas lançadas por foguete. Ele é capturado e mantido preso em uma caverna por um grupo terrorista, os ‘’Dez Anéis’’, e um eletroímã é embutido em seu peito por seu companheiro refém Yinsen para manter os fragmentos de uma bomba longe de seu coração. O líder do Dez Anéis, Raza, oferece a Stark liberdade em troca de construir um míssil Jericho para o grupo, mas Tony e Yinsen concordam que Raza não vai manter a sua palavra.

Mesmo que o filme siga a formula da jornada do herói. Um homem buscando redenção,  mesmo após se dar conta do impacto negativo de suas invenções, Tony Stark jamais muda sua personalidade. Mesmo fazendo o bem, ele não deixa de ser um homem egocêntrico, cínico, prepotente e sarcástico.O elenco de apoio, que são Piper Pots (Gwyneth Paltrow) e Rhodes ( Terrence Howard), possuem uma química incrível em tela com Robert, principalmente o Terrence, que por motivos internos da Marvel, envolvendo aumento de salário, o ator não retornou ao papel, e que sinceramente foi muito mais carismático que a versão interpretada por Don Cheadle. Piper no entanto é doce, e sarcástica em nível menor do que Tony, mas conquistou o publico logo de cara. Algo que não poderia de comentar sobre, é a voz quase onipresente do filme, a do Jarvis, que foi concebido pelo ator Paul Bettany que veria a ser o futuro herói Visão. Apesar de ser uma inteligencia artificial , puramente racional, foi apresentado de tal forma que o publico logo se apegou.

A trilha sonora, composta por Ramin Djawadi, se destaca pelo uso de instrumentos com acordes voltados por rock. Além disso, em momentos determinados, podem ser ouvidas obviamente bandas como AC/DC e Black Sabbath, esta última com o clássico com “Iron Man’’, que casou perfeitamente como o tema do filme.

O ultimo ato tem uma sequência  que seria totalmente esquecível se não fosse por um fator : os efeitos práticos. Sendo difícil filmar uma batalha entre duas armaduras durante voos ou passagens em rodovias com efeitos práticos, é compreensível que Favreau se limite ao básico e que a sequência seja contida visto o orçamento.

É realmente difícil de acreditar que algum outro filme do estúdio possa superar esse clássico instantâneo, no quesito maturidade e qualidade como um todo, que mostra que quando um diretor mesmo que limitado pelo próprio estúdio, mas totalmente inspirado, é guiado por um roteiro que prioriza história e desenvolvimento de personagem ao invés de pirotecnia e somente fan service. Homem de Ferro é incrível, um blockbuster genuinamente relevante na indústria cinematográfica. E como sabemos, a famosa cena pós-créditos se tornou mais do que especial, pois abriu pela primeira vez as portas do Universo Cinematográfico Marvel, e mudou o jeito de fazer filmes de heróis em Hollywood  para sempre.

Homem de Ferro (Iron Man, EUA, 2008)

Direção: Jon Favreau

Roteiro: Mark Fergus, Hawk Ostby, Art Marcum, Matt Holloway

Elenco: Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Terrence Howard, Jeff Bridges, Leslie Bibb, Shaun Toub, Faran Tahir, Clark Gregg, Bill Smitrovich, Paul Bettany