Lista | 10 Curiosidades sobre Final Fantasy

Final Fantasy é uma das maiores franquias de RPGs da história (senão a maior). O jogo, produzido pela Squaresoft (atual Square Enix), idealizado por Hironobu Sagakuchi e lançado para o NES em 1987, foi um grande sucesso, com uma fórmula inovadora tanto em termos de jogabilidade como em narrativa, e vem impondo padrões para o gênero desde então.

Para celebrar os 30 anos desta franquia tão querida, convido vocês a conhecer (ou relembrar) 10 fatos curiosos sobre Final Fantasy. Vamos lá?

1) O título. “Final Fantasy” foi o nome escolhido para representar a franquia, pois, segundo o próprio Sakaguchi, esse seria o seu projeto final como game designer. Caso não tivesse o retorno esperado, ele teria de voltar para a faculdade. Além disso, o título poderia ser abreviado como “FF”, que, pronunciado em japonês, tem uma boa sonoridade, motivo pelo qual também foi cogitado o nome “Fighting Fantasy”.

2) El Cid. Em todos os jogos da série (menos no primeiro, mas isso foi incluído em relançamentos posteriores), há um personagem com o nome Cid. De um jogo para outro, a pessoa muda, mas é sempre alguém ligado à tecnologia, principalmente aos famosos navios voadores sempre presentes na franquia, podendo ser um cientista, um mecânico, um inventor, etc. É uma marca registrada dos jogos, juntamente com os Chocobos e os Moogles.

A mecânica Cidney (“Cid”) em FF XV

3) Meu Pintinho Amarelinho… Falando nos Chocobos, eles são aves gigantes dentro do universo de Final Fantasy, normalmente domesticadas como montarias e/ou animais de carga. Nos jogos, é possível viajar com estas galinhas imensas, jogar minigames de corrida, rastreamento e até personalizá-las ao seu gosto. A inspiração para a criação destes seres simpáticos vem do filme animado “Nausicaä do Vale do Vento”, dirigido pelo mítico Hayao Miyazaki, que apresenta aves terrestres muito similares aos Chocobos, chamados “Horseclaws”.

4) Cabeça nas nuvens. Os desenvolvedores de FF têm a estranha mania de nomear os protagonistas dos jogos com base em fenômenos meteorológicos: Cloud (FF VII) = nuvem em inglês, Squall (FF VIII) = ventania em inglês, Vaan (FF XII) = vento em francês, Lightning (FF XIII) = relâmpago em inglês, Noctis (FF XV) = noite, em latim. Aparentemente, não há qualquer motivo especial ou ligação entre estes personagens na história dos jogos para justificar essa nomeação, sendo apenas algo tradicional na franquia.

Squall, ao centro. No fundo, à direita, Lightning.

5) A inspiração dos combates. O estilo de batalhas por turno, tão icônico na série (atualmente tendo sido substituído por uma pegada mais Action RPG no FF XV), recebeu influências do Futebol Americano e da Fórmula Um. Os desenvolvedores pensaram nas corridas ao imaginar que a velocidade dos personagens em combate seria diferente, de acordo com vários fatores. A divisão com os mocinhos de um lado e os bandidos do outro, na vertical, vem direto dos campos de Rugby, inclusive com marcações bem claras no primeiro título.

6) Referência a Star Wars. Em “Final Fantasy VI”, lançado para o SNES, se o jogador resgatar Celes usando a roupa de soldado, ela irá perguntar: “você não é baixo demais para um soldado?”. Em Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança, a princesa Leia diz exatamente a mesma coisa para Luke quando este vem salvá-la, vestido como Stormtrooper. Inclusive, essa não é a única referência à saga espacial dentro dos jogos da série.

7) O complicado lançamento do FF VII. Um dos títulos mais aclamados e queridos da série inicialmente seria lançado para o Nintendo 64, já que a Square possuía uma boa relação com a Nintendo e vinha lançando seus jogos como exclusivos dos consoles dela desde o começo. A razão que levou a empresa a migrar para a concorrente Sony, com seu na época estreante PlayStation, foi o tamanho do jogo final, que contava com uma história imensa, inúmeros diálogos, efeitos especiais nas batalhas e cutscenes em CGI pré-renderizada, sendo a mídia em CD ideal para comportar o título em sua íntegra (que ainda foi dividido em 3 discos, com um total de 1,3 GB de conteúdo). Segundo os desenvolvedores, seriam necessários cerca de 22 cartuchos de Nintendo 64 para rodar o FF VII.

8) O número 7. Considerado um símbolo de sorte, o número 7 tem grande relevância para a cultura japonesa, o que se reflete em variadas obras. Em FF VII, além do título, há diversas referências ao número durante o jogo: o bar de Tifa Lockhart é chamado 7th Heaven; o avião vermelho do Costa Del Sol tem o “VII” pintado; Tifa fica uma semana inconsciente (7 dias); Cloud chega ao nível 7 depois da primeira batalha; a maioria dos personagens possui 7 limit breaks, menos Cait Sith e Vincent; existem sete personagens obrigatórios no decorrer do game, os outros dois são opcionais, e assim por diante.

9) Diferenças culturais. Em Final Fantasy X, sem dar muitos spoilers, há uma declaração de amor de um personagem para outro durante a história. No entanto, isso é exclusivo da versão ocidental, pois, no original, a personagem simplesmente agradece dizendo “muito obrigada”. Tal se explica pois, no Japão, algo tão banal para nós como um agradecimento, para eles, possui um significado muito mais forte.

10) Uma triste influência. ATENÇÃO!! SPOILERS DE FINAL FANTASY VII À FRENTE. VOCÊ FOI AVISADO!!

.

.

.

.

.

Um dos momentos mais chocantes e comoventes da série está em FF VII, com a morte de Aeris, fiel companheira do jogador, pelas mãos do vilão Sephiroth. O momento impressiona pela crueza e rapidez com que acontece, pegando os incautos de surpresa. Sakaguchi diz ter se inspirado no falecimento de sua própria mãe para isso, ocorrida na mesma época de desenvolvimento do jogo, pois, na vida real, a partida de um ente querido pode ser totalmente inesperada, e ele queria retratar isso na história do game de alguma forma. Fugindo do clichê de mortes excessivamente dramáticas e ressaltando a efemeridade da própria vida, o momento acabou sendo ainda mais impactante.

E quanto a vocês? Já conheciam todas essas curiosidades? Sabem de mais alguma que queiram acrescentar? Compartilhem com a gente suas opiniões no espaço abaixo e, se tiverem uma sugestão para um futuro post aqui no site (este mesmo foi sugerido pelo meu camarada @RiptorBR), comentem também! Obrigado pela atenção.

  • RiptorBR

    Ótimo ( de novo, pra variar rsrs ) colega. Algumas complementos:
    11- No projeto inicial, era que a franquia fosse composta por jogos de plataforma, & não RPG.
    12- Para comemorar o lançamento do 15º título da franquia, a produtora fechou uma parceria com a Audi, e foi lançado um carro inspirado no game: https://uploads.disquscdn.com/images/da0b7fabe0239ffa086b25bd666c4b7510fb2142e21ae1c4ed76ee1f70df86b7.jpg ” apenas “US$ 470 mil
    & 13-A trilha sonora de um dos games já foi usada para executar uma coreografia de nado sincronizado.
    Isso foi feito por Alison Bartosik e Anna Kozlova, nas Olimpíadas de 2004.

  • Bruno A. B. Ransan

    Valeu, amigo. Sua participação como sempre fantástica hehe. Obrigado.
    Caraca, era para ser um plataforma?? Imagina só… talvez nem teríamos outros jogos nesse mesmo estilo.
    É o mesmo carro que eles usam no jogo, né? Bonito demais.
    FF tem uma excelente trilha sonora, ganhou vários prêmios. Inclusive, é o mesmo compositor de Chrono Trigger.

  • RiptorBR

    Que isso, por nada.
    Muito provavelmente nem teria mesmo.
    Sim, até aparece em uma das capas do jogo.

  • Bruno A. B. Ransan

    Que coisa, não consigo imaginar um mundo sem FF, é uma franquia muito influente.
    Apesar de, confesso, eu não ter jogado nenhum deles até o final… kkkkk

  • RiptorBR

    kkk entendo. eu já joguei uma quantidade considerável.

  • Bruno A. B. Ransan

    Lembro que tinha um para o PS2, mas era emprestado e não consegui completar até devolver rss. Pense num jogo comprido…

  • RiptorBR

    Entendo, é um jogo que tem de gastar um tempinho considerável.

  • Max

    Eu questionava quando criança porque tinham 12 final fantasy e todos com Final aí sempre me perguntava: Por que Final se sempre tem outro? Soube uns anos atrás dessa que FF era a última chance do criador =P

    Eu nunca fui muito fã de RPG, tinha preconceito achando que era só texto em inglês e pouco jogo kkk Estou me redimindo, joguei Parasite Eve (que é uma mistura bem louca de gêneros) e estou jogando Final Fantasy VIII porque vejo pouca gente falar sobre e parece legal…

    Enfim, ótima lista! =)

  • Bruno A. B. Ransan

    Obrigado, Max!! Pois é, as barreiras do idioma também me impediram de apreciar os RPGs por muito tempo – sem entender o que está acontecendo, não tem como gostar mesmo kkkk. Agora que domino um pouco de inglês, e com a praticidade de jogos totalmente localizados para o Brasil que temos atualmente, ficou mais fácil curtir esse gênero.

  • Bruno A. B. Ransan

    Como todo RPG, inclusive kkkk.

  • Anderson Claudino Dos Santos

    Excelente matéria, FFVII foi o primeiro JRPG que tive o prazer de conhecer, justamente pelo vilão Sephiroth que todos comentavam na época por causa de sua música, então depois disso o gênero se tornou um dos meus favoritos, estou no aguardo pelo remake.

  • Bruno A. B. Ransan

    Obrigado, Anderson! Sephiroth é mesmo um dos vilões mais icônicos dos games, eu o conheci primeiro no Kingdom Hearts hehe. Sobre o remake, também estou curioso para ver como vai ficar, principalmente pela parte gráfica, que, pelos vídeos divulgados, está ficando sensacional. O problema é que não deram ainda nenhuma data de lançamento…

  • Anderson Claudino Dos Santos

    Eu acredito que eles vão exibir um gameplay na PSX em Dezembro e que deve ser lançado em algum momento de 2018.

  • Bruno A. B. Ransan

    Tomara que sim. Já estão adiando esse projeto há muito tempo…

  • Anderson Claudino Dos Santos

    Muito muito tempo, e também acho que vão anunciar o Remake do RE2 que já está a um bom tempo em produção.

  • excelente lista. Não conhecia nada da franquia, so assisti os filmes em cgi

  • Bruno A. B. Ransan

    Nossa, esse também eu quero muito ver!! Curto demais a franquia Resident Evil, sem contar que a Capcom fez um excelente trabalho no remake do 1. Seria canelada não fazer o mesmo com o 2.

  • Bruno A. B. Ransan

    Valeu, Stella!! Os filmes não cheguei a assistir, mas sei que eles fogem bastante da temática dos jogos, com uma pegada mais sci-fi.

  • RiptorBR

    Tirando um que realmente é mais puxado pro sci-fi ( que não tem NADA a ver ), tem uns que realmente fazem um bom trabalho.

  • Bruno A. B. Ransan

    Entendo. Recomenda algum deles para os não iniciados na franquia?

  • RiptorBR

    Kingsglaive: Final Fantasy XV. Ele se passa ( como já dito no titulo ), no universo do FF XV, paralelamente no tempo da introdução do jogo.
    Ele serve mais como um complemento pro jogo na verdade, mais vale a pena conferir.

  • Bruno A. B. Ransan

    Interessante. Acho que como esse é mais recente, eles encontraram o caminho para fazer uma melhor adaptação. Valeu pela dica!