Crítica | Liga da Justiça – Sem spoilers (2017)

Acredito que muitos tiveram duvidas sobre liga da Justiça, se o filme agradaria deuses e troianos, definidamente agradará. O filme foi incrível, superando todas as expectativas que se tinha anteriormente. Como deixado claro anteriormente, Batman ficou responsável pela criação da Liga no filme, juntamente com a Mulher Maravilha (Gal Gadot). Ela é basicamente a cola do grupo realmente como tinha sido declarado, ela é como a ‘’irmã mais velha’’,  que deixa tudo em ordem. O símbolo de esperança no grupo equivalente o que o Superman é nos quadrinhos devido a sua ausência, devido ao plot de sua morte desde Batman vs Superman.

Para aqueles que anseiam pelo ”Superman clássico”, mais próximo dos quadrinhos, finalmente vemos Henry Cavill encarnar, não direi como acontece seu retorno claro, mas definitivamente deixarão os fãs felizes. E nos deixa mais animados para um segundo filme do herói, com essa nova ‘’roupagem’’. Apesar do Aquaman (Jason Momoa) ter bons momentos, o personagem não tem tanto momento em tela como o Flash por exemplo, fica aquela deixa para querermos ver mais sobre o personagem. E como seu filme será lançado próximo ano, não precisou desenvolve-lo tanto como Ciborgue e Flash. Que inclusive Ezra Miller conseguiu entregar um excelente Flash, ele é bem diferente se comparado a versão da TV, interpretado por Grant Gustin, é um Barry mais jovem que ainda está na faculdade, e seus poderes foram retratados maravilhosamente pelo orçamento mais alto se comparado. Seu humor como muitos suspeitavam, lembra bastante o do Wally West da série animada dos anos 2000.

Ben Affleck está mais a vontade como o Batman, e está bem melhor aqui do que em Batman vs Superman, tendo até espaço para se soltar com humor mais contido.  A emoção de ouvir a trilha composta por Danny Elfman para o Batman de 1989, é sem precedentes, É como voltar a ser criança novamente.Porém no resultado como todo, a trilha sonora é mediana, a parceria de Elfman, Junkie XL não superou a parceria do Junkie com Hans Zimmer , mas tem seus bons momentos. Vou deixar claro, ter humor e ser divertido não comprometeu em nada o filme, muitos se apavoraram com a inserção deste elemento, que no qual pensaram ficar semelhante aos filmes da Marvel Studios. Longe disto o filme tem sua própria identidade.

O Lobo da Estepe (Ciarán Hinds) foi um vilão regular, devido o pouco que apareceu, a voz imponente do Hinds faz toda diferença e o personagem tem ótimas cenas de ação. O vilão foi uma ótima escolha , ao invés de Darkseid, já que um inimigo que brilhasse mais do que o time, que ainda está se formando, não seria uma boa escolha. O longa é basicamente um filme que esperávamos, de reunião de heróis queridos , que pela primeira colidem seus universos. Que por sua vez, o roteiro busca desenvolver a interação e a dinâmica dos personagens, foi o que mais foi valorizado aqui. Ficou orgânico e funcionou bastante.

O melhor do filme são os personagens, e Joss Whedon foi um o grande responsável disto, no qual alterou 33% do roteiro, vemos claramente sua influencia. Aliado a visão para cenas de ação que  Zack Snyder adora criar, temos o melhor de dois mundos combinados. Então para os que estavam se descabelando, pensando que seria a maior bagunça, podem ficar tranquilos. Dá para perceber algumas cenas refilmadas ? Sim, dá para perceber em algumas, mas devido ao CGI, a remoção do bigode de Henry Cavill (Devido a gravação de outro filme), entre outras. Após produção leva tempo, e pelo tempo curto de refilmagem prejudicou um pouco,  mas nada que estrague a experiência. Não tem nada a ver com o Ciborgue como muitos pensavam, ele está melhor do que vimos nos trailers.

O filme tem tem desfechos dos arcos dos personagens soltos o suficiente, no qual os fãs ficarão ansiosos para os próximos filmes do Aquaman, Flash e Mulher Maravilha 2. E também solto o suficiente para explorarem certas possibilidades para a Liga da Justiça 2. Definitivamente Liga da Justiça abriu de vez as portas para a expansão ainda maior do universo DC e o potencial deste nos cinemas.

  • As duas cenas pós créditos, valem a pena , elas dão a dica do que podemos esperar dos futuros projetos

Liga da Justiça – 2017 (Justice League- EUA)

Direção: Zack Snyder

Roteiro: Joss Whedon, Chris Terrio

Elenco: Gal Gadot, Ben Affleck, Jason Momoa, Ezra Miller, Ray Fisher, J. K. Simmons, Henry Cavill, Ciarán Hinds, Amber Heard, Amy Adams, Connie Nielsen,Joe Morton,Diane Lane,Robin Wright,Billy Crudup, Julian Lewis Jones, Kiersey Clemons, Michael McElhatton,Willem Dafoe