Primeiras Impressões | Os Fugitivos

Os Fugitivos definitivamente surpreende em alguns aspectos, já começa com a abertura intimista com um som sereno e sombrio, dando um clima mais de série de suspense do que teen na verdade. Os Fugitivos acompanha alguns  jovens  que um dia foram melhores amigos, após a morte de uma das garotas do grupo, acabaram se afastando. Dois anos se passam e o personagem Alex Wilder , acaba sendo incentivado pelos seus pais, acaba tentando se conectar novamente com os seus antigos amigos. Apesar de estudarem na mesma escola,  todos seguiram por caminhos distintos,  tem suas próprias rotinas e alguns fazendo novas amizades, enquanto outros decidiram se isolar.

O elenco é diversificado, é um ponto positivo, e de forma alguma parece forçado para ser representativo. É bastante fiel aos quadrinhos no quesito visual. O maior erro ao meu ver um dos maiores problemas na narrativa, foi o foco excessivo nos pais, e focando nas partes mais chatas do que na vilania deles, apenas no cotidiano, nos dois primeiros episódios, o terceiro episódio a série já começa a avançar na narrativa. Nessas partes parecia que eu estava lentas séries da Marvel que estão na Netflix.

Muitos claramente irão associar como uma especie de ”Malhação da Marvel”, não deixa de ser verdade, a série procura aproveitar bastante o elenco do núcleo dos pais, só porque possuem algumas caras conhecidas da TV como, James Marsters (Buffy), por exemplo. Arrastam a trama para poder render mais a história inicial da edição 1, de Os Fugitivos. Isso pode ser prejudicial para os adolescentes que irão acompanhar e geralmente gostam de algo mais rápido e ”mastigado”. O núcleo jovem de atores é bastante mediano, se destacando Ariela Barer (Gert Yorkes) e Lyrica Okano (Nico Minoru). De resto mesmo com três episódios não mostraram a que veio, a piorzinha do núcleo é a atriz  Allegra Acosta (Molly), tem atuação excessiva quando se trata de drama ou em outras situações, é caricata demais.

Os efeitos visuais são pouquíssimos utilizados e estão na média não muito diferente de visto em séries da CW, vemos um pouco na Karolina Dean, e o despertar de seus poderes, nos olhos de Molly, e no dinossauro Alfazema, os efeitos práticos dão mais veracidade do que o CGI, que soa bem falso em tela. No quesito fotografia e arte, fotografia apresenta apenas uma iluminação bastante padronizada, que hora lembra um algo como um pseudo-documentário ou uma telenovela. A imersão na história acaba falhando pelo roteiro, e um arrastar de trama que seria resolvido em apenas um episódio e não em 3! De qualquer forma esta temporada terá 10 episódios, espero que se torne mais ágil, e eles se tornem realmente heróis fugitivos do titulo, porque até agora estão bastante confortáveis em suas vidas.

Runaways – Reunion, Rewind e Destiny – 21 de outubro de 2017( Idem-EUA)

Showrunner: Josh Schwartz, Stephanie Savage

Direção: Brett Morgen, Roxann Dawson, Nina Lopez-Corrado

Roteiro: Drew Pearce, Drew Pearce, Kalinda Vazquez

Elenco: Rhenzy Feliz, Lyrica Okano, Ariela Barer, Cris D’Annunzio, Cody Mayo, Virginia Gardner, Gregg Sulkin, Allegra Acosta, Angel Parker, Ryan Sands, Annie Wersching, Kip Pardue

Duração:  45 min, cada episódio

Posted Under
  • Nataniel

    Não gosto de séries teen, nem me interessei em ver esta.

  • Mulher Mortífera

    ótimo primeiras impressões. Pelo que você falou parece fraca não assistirei então

  • obrigado @mulhermortfera:disqus. É na média, mas serve para quem gosta de série teen

  • É se não faz seu estilo, não recomendo rsrs