Crítica | Star Wars: Os Últimos Jedis (2017)

No que diz respeito ao visual, este Episódio 8 de Star Wars é uma  fabulosa  montagem de sequências de ação memoráveis ​​(muitos e de todos os tipos: galáctica, em planetas, duelos de sabre de luz e vários confrontos, incluindo a guarda vermelha de Snoke e suas armas novas e imaginativas) e naves que remetem a nostalgia dos fãs, que também se sintonizam com a sensação de perda da atriz Carrie Fisher. Há inovação, há muita fantasia , mas também há  certos momentos que homenageiam o Império Contra-Ataca. Conceitos similares são propostos, mas são resolvidos de maneiras muito diferentes.

Grande parte da solenidade e profundidade que Kasdan e Abrams imprimiram para o Episódio 8 é dinamitizada  a partir do primeiro ato, o que resolve de forma totalmente inesperada com cliffhanger, e que dita o tom dos próximos dois atos. O roteiro tem seus altos e baixos no desenvolvimento, com o desperdício de alguns personagens, em que caíram por muitas expectativas, além de encontrar seções pontuais que são completamente acessórios e não acabam ajudando a compor uma história redonda e bem fechado. A maravilhosa trilha sonora de John Williams em uma de suas obras mais inspiradas que converte em si mesmas belas passagens (a fotografia  sublime e esquisita de  Steve Yedli ),  combinam em uma deliciosa combinação de imagens e a trilha.

Os Ultimos Jedis é um filme que vai de menos para mais e brilha com sua própria luz no seu ultimo ato, graças ao fato de que ele desenvolve  personagens secundários. Não escapa de certos tópicos do cinema de entretenimento e aventuras como resgates , heroísmo individual e até mesmo a introdução de um trio amoroso que não funciona muito bem, mas sabe como explorar perfeitamente o amor dos seguidores pela franquia para seus símbolos e seus personagens fetiche.

Quanto às interpretações, acho que haverá um consenso sobre a crítica sobre o maravilhoso trabalho de Mark Hamill , que se entrega em corpo e alma ao papel de Luke Skywalker . E isso, apesar de mostrar sua relutância sobre o roteiro e até ter posto na mesa suas próprias idéias sobre o que ele pensou que poderia ter acontecido com seu personagem. Na verdade, ele teria gostado de seguir o esboço de George Lucas para esta nova trilogia, mas como um dos personagens do Episódio VIII verbaliza “é hora de abrir caminho para o novo”.

Sobre Carrie Fisher ainda não pode entrar classificação porque é e sempre será e o líder da Resistência Leia . E sim, eu tenho um, mas com respeito a Snoke: não por causa do trabalho de captura de movimento de Andy Serkis, mas sim por causa do excesso CGI do personagem.  Poe Dameron , interpretado por Oscar Isaac ,  ganha importância e se torna a personificação dessa nova linha de roteiro em que os personagens têm muitas mais camadas. Rey é colocada propositalmente numa situação muito parecida com a de Luke em Império Contra-Ataca.

O filme é possivelmente aquele que lida com um maior número de personagens em condições iguais. Mas sim, a protagonista é Rey, mas todos os personagens têm muito a contribuir. Isso faz com que a narrativa se mova em uma corda bamba a partir da qual momentos cruciais pendurados no enredo (e na evolução da saga) cuja percepção, às vezes, depende mais de nossa confiança no que o Episódio 8 pode trazer. Rian Johnson encontrou o tom certo para os seus personagens, explorando suas camadas, suas dores e suas motivações.

Os Últimos Jedi não é o melhor filme da franquia Star Wars, mas tem tudo que você precisa, e possibilidades deixadas para explorar nesses novos caminhos e estou certo de que essa é a razão pela qual a Disney deu liberdade criativa para Johnson, para expandir sua visão em mais três filmes que se desenrolam independentemente do sobrenome Skywalker.

Star Wars: Os últimos Jedis – 2017 ( Star Wars: The Last Jedi- EUA)

Direção: Rian Johnson

Roteiro: Rian Johnson

Elenco: Adam Driver, Adrian Edmondson, Aki Omoshaybi, Akshay Kumar, Andy Nyman, Andy Serkis, Andy Wareham, Anthony Daniels, Antonio Lujak, Benicio Del Toro, Bern Collaco

  • Pantera Negra

    Você viu em qual cinema, Angel?

    Sendo sincero, concordo que o começo do filme me fez questionar algumas coisas, como algumas cenas engraçadas bem nada a ver (aquele velho viciado em jogo) e do pq determinados personagens apareceram, até (aquelas “galinhas” alienígenas kk). Mas do meio pro fim você é bombardeado com cena foda atrás da outra. Não dá tempo de respirar.

  • Oi amigo, assisti no Cinepolis. Realmente não deu tempo para respirar rsrs Gostou da crítica?

  • Pantera Negra

    Maravilhosa, concordo com praticamente tudo que vc escreveu.

  • RiptorBR

    Ótimo crítica.
    Pretendo conferir no sábado.

  • Oba obrigado.

  • Obrigado amigo. Bom filme.

  • RiptorBR

    De nada.
    Obrigado.

  • Lockheed

    Amei o filme e chorei muito no final. Lindo, maravilhoso e INOVADOR!

  • Finn parece que ficou de lado. Bom, com um grande fã da saga, foi meio decepcionante esse filme. (Pelo menos teve mais do meu Poe Dameron)

  • Não vi ninguém falando sobre, mas olha, o 3D desse filme funcionou

  • Fabiano Correia

    Até que o filme foi incrivel

  • Me surpreendeu também, a fotografia é deslumbrante.

  • Também me surpreendeu que Finn ficou completamente alheio, era melhor nem ter mostrado ele nesse. Poe Dameron foi mais aceito pelo publico que ele também. Talvez seja o motivo.

  • Eu acabei vendo em 2D mesmo. Não tinha como opinar.

  • Me diverti bastante também.

  • Obrigado Cersei. Olha não achei que deixou a desejar, sou do lado que gostou hahaha. Na verdade as críticas ficaram divididas entre os fãs antigos e os novos. Eu sou dos novos basicamente, estou aberto a novos caminhos.

  • Fabiano Correia

    Talvez fosse consequência do Jonh boyega ter falado demais nas entrevistas

  • Hm talvez, mas foi sacanagem com o ator se tiverem cortado muitas cenas dele.

  • Ótima crítica @disqus_mAqvkF2vMw:disqus !
    Eu não sei…eu gostei muito do filme, só teve umas coisas ae que ficaram meio bosta. A trama do Finn e da Rose foi uma das piores coisas do filme, não gostei não. O Poe foi um dos pontos positivos e a Leia está demais, tirando uma cena lá…
    Eu entendo que tem esse negócio de homenagear a atriz e tudo mais, porém não curti muito uma cena dela quem tem a ver com a Força. Gostei da Rey e do Kylo Ren, foi bem legal como eles aprofundaram o passado dos personagens e deixaram uma certa duvida do que estar por vir. Luke Skywalker…eu tenho que assistir de novo. Eu entendi o que eles fizeram e o Mark Hamill está muito bem mesmo, só teve umas coisas que eu não esperava dele.
    O filme é visualmente lindo e divertido mas também tem uma carga muita pesada. Enquanto O Despertar da Força te dá esperança, Os Últimos Jedi tira ela. Em alguns momentos a gente fica realmente preocupado com os personagens e sente por cada um da Resistência.
    Estou ansioso para saber o que vão fazer no próximo.

  • Obrigado amigo. Feliz natal. Concordo com o que citou. Poe está se tornando um personagem excelente, ofuscou o Finn. Por isso minha crítica foi ”positiva”, o filme ao meu ver foi bom, e não ruim como apontam.

  • Isso mesmo. Feliz Natal também, desculpa por não lembrar kkk 😉