Crítica | The Orville – 1ª Temporada (2017)

 O amor de Seth MacFarlane pela franquia Star Trek , o fez criar The Orville como uma série que retornaria a uma mensagem de esperança para um futuro pacífico cheio de uma expansão humana tecnologicamente no cosmos, de forma benevolente nesta era de dramas espaciais sombrios e pessimistas. Mas, enquanto o episódio piloto  começa com uma sensação bem-vinda de nostalgia e uma trilha sonora sessentista, para evocar a majestade de naves  que exploram o espaço, os personagens e as histórias nunca ultrapassam o conforto do familiar.

Todos os personagens secundários são exploradas ao longo da temporada,nem todas as piadas funcionam, no entanto o humor nunca nos distrai das cenas onde se encontra. Pode não ser para todos os olhos, mas The Orville é genuína. A série tem um sentido de humor carismático e especial, combinando na perfeição os momentos mais dramáticos com a comédia. A série abordou temas que vem sendo discutidos atualmente, como questão de gênero, conceitos de famílias, e vários outros assuntos.

O  episódio final da temporada pode ser considerado o melhor da temporada, o conceito de um planeta com uma taxa de tempo variável foi certamente inovador, mesmo que o início do episódio com outra “anomalia espacial” não fosse. Assim que o mundo desapareceu novamente e Isaac começou a descrever a “órbita multifásica”. Não foi exatamente decepcionante saber o que estava por acontecer, mas a previsibilidade fez a exploração da cultura medieval um pouco branda. A demonstração de Kelly de sua ferramenta médica foi agradavelmente convincente, mas não foi até que o menor sacerdote matasse o líder religioso de que as coisas realmente ficaram interessantes.

The Orville faz uma declaração ousada,  afirmando que a obsolescência da religião em uma sociedade em desenvolvimento é inevitável. Embora os escritores não tenham chegado e dissessem que a fé não teve nenhum papel na raça espacial que surgiu na fase final do episódio, a representante feminina da cultura encorajou-os a “ter fé” na descoberta e ao “triunfo” da mente lógica. “É preciso se perguntar o que está em armazém para o nosso próprio futuro nesse sentido, seja para o espaço ou não.

Com a frequência com que a equipe da Orville desafia as ordens em nome de fazer o que é certo, seria perigoso para o capitão cobrir seu primeiro oficial por causa de sentimentos que ele poderia ter. Esta realização foi o único encerramento que a temporada realmente precisava, e agora há muito tempo para discutir o impacto que The Orville teve na sua primeira temporada.

The Orville – 2017 ( Idem- EUA)

Showrunner: Seth MacFarlane

Direção: Vários

Roteiro: Vários

Elenco: Seth MacFarlane, Adrianne Palicki, Penny Johnson Jerald, Scott Grimes, Peter Macon, Halston Sage, J. Lee, Mark Jackson, Gavin Lee

Duração: 44 min, cada

Posted Under
  • Fabiano Correia

    Essa série surpreendeu
    Parece um spin off de star trek literalmente
    Quem sabe devido ao sucesso de Discovery quem sabe eles não facam uma série nessa pegada

  • Essa série realmente surpreendeu a grande maioria dos episódios foram muito gostosos de assistir. Já Discovery não me pegou, acabei largando.

  • Fabiano Correia

    Discovery até que é legal mas esta longe de ser uma série que se passa 10 anos antes da série classica