Crítica | Primer (2004)

Se você está cansado de assistir obras que não te desafiam, Primer é o filme que mudará este conceito. No qual trabalha viagem no tempo, como nenhum filme ou série trabalhou de maneira genial e muito complexa. Até a série atual da Netflix, Dark  que trabalhou muito bem viagem no tempo, não chega próximo da história deste.

Na história, dois amigos engenheiros, Aaron (o próprio Shane Carruth) e Abe (David Sullivan), se reúnem em uma garagem para criar um dispositivo capaz de reduzir a “massa aparente”, de qualquer objeto colocado dentro dele. Acidentalmente eles acabam descobrindo que, na verdade, os objetos estão viajando no tempo. Pensando nas inúmeras possibilidades advindas dessa descoberta, o primeiro desafio que eles se propõem é utilizá-la para “se darem bem”, lidar com as consequências vai ficar para depois.

O roteiro, com um jargão científico disponível para muito poucos, desempenha os paradoxos da viagem temporária, a ponto de imergir o espectador em um jargão cientifico-técnico em que apenas encontrar confusão. Premeditadamente incompreensível, o diretor evita qualquer cena explicativa, tudo está ao serviço da perplexidade. Algo como colocar um  “baixo custo” De Volta para o futuro (1985) e Lost Highway .  Carruth, , reflete sobre o valor do tempo, a deterioração das amizades sob a competência profissional e as implicações éticas dos achados que podem perturbar a realidade conhecida. O diretor americano fala, antes da crise, de extensos dias úteis em que o tempo é escasso e torna-se um dos grandes problemas da sociedade de hoje. Não há tempo para o lazer, apenas para o trabalho. Os protagonistas verão a possibilidade de ter 36 horas por dia, prolongam artificialmente a vida dos minutos com o desejo de recuperar o tempo roubado.

O design da produção marcadamente realista, dando a sensação de documental falso, parando em detalhes inconsequentes, mas que aumentam a sua verossimilhança, é um ponto a favor. Sua trilha sonora, bem como a faceta de Carruth como ator, deixam muito mais desejosos. A música atua como ”tortura” semelhante a de filmes de terror , as vezes sem ser percebida.

De qualquer forma, no Primer , filmado em 16 mm, com uma equipe de pessoas amadoras , nada faz pensar em seu estado humilde,  dado o orçamento dele , é incrível. É apreciada uma habilidade técnica que não mostra seu lugar (cinematográfico) de origem. Em resumo: Carruth propõe uma equação para muitos insolúveis, um jogo científico em uma estrutura narrativa, com  apenas 75 minutos de filmagem .

Sabemos que os dois estão criando algo e não vemos a hora de que eles finalizem o projeto. Ficamos intelectualmente presos ao filme, mesmo às vezes não entendemos tudo o que se passa. Realizado com apenas 7 mil dólares, “Primer” é um filme denso, complicado e indicado para espectadores que querem vivenciar um verdadeiro desafio cerebral.

  • Mulher Mortífera

    Critica primorosa. Este filme independente parece muito interessante, e complexo do jeito que eu gosto. Vou procura-lo.

  • Obrigado @mulhermortfera:disqus. Demorei para fazer a crítica dele. É um filme complexo realmente, do tipo que precisa assistir mais de uma vez.