Crítica | O Estrangeiro (2017)

O diretor da Nova Zelândia, Martin Campbell ( Casino Royale ), dirige esse thriller de ação político escrito por David Marconi ( Public Enemy ) e baseado na novela “The Chinaman” do polêmico escritor britânico Stephen Leather . É um livro de 1992 em que existem fortes concomitantes com a realidade e, portanto, corre o risco de ser mal interpretado com alguma facilidade.

No Exterior, Quan (Jackie Chan) é o proprietário de um restaurante humilde em Londres que vive uma vida tranquila até o momento em que sua filha morre em um ataque terrorista levada a cabo por uma facção do Exército Republicano Irlandês ( IRA ). Desesperado, ele se dirige para a polícia incessantemente por ajuda e justiça, sem sucesso. Então  ele decidir assumir o controle da situação para vingar a morte de sua filha. Em sua busca, Quan se voltará para Liam Hennessy (Pierce Brosnan), um enigmático oficial do governo britânico que no passado estava envolvido com o IRA. Graças às conexões e posição política de Hennessy, o desesperado Quan poderia encontrar os nomes dos responsáveis pelo ataque. Uma caçada tortuosa começará, independentemente das conseqüências.

Jackie Chan, vencedor honorário do Oscar, por uma carreira inteira dedicada aos filmes de ação, é a grande atração de uma história,  que é um pouco decepcionante. O enredo não é tão interessante, Chan é um ator  mais limitado no campo do drama e este é o principal fio com o qual toda a história é tecida e não cenas de luta. Por outro lado, há um salto para  para justificar que o IRA continue sendo uma ameaça terrorista, algo que não ajuda precisamente .

Liam Hennessy, o personagem interpretado por Pierce Brosnan, é baseado no político irlandês Gerry Adams: um homem que participou ativamente do movimento republicano irlandês, embora ele sempre tenha negado ter sido membro do IRA. Mais tarde, ele se tornaria o líder do Sinn Féin , o ramo político do IRA e seria um participante do acordo de paz da Irlanda do Norte. A caracterização de Brosnan é quase caricata: cabelos curtos e cinza, barba e óculos.

O filme tem a capacidade de atrair o espectador durante as duas horas de exibição, embora já tenhamos certeza de qual será o resultado final do plano implacável desse” McGyver” formado no Viet Cong. Talvez nos anos 90, O Estrangeiro teria se destacado nos cinemas. Até hoje, ele só passa por um filme divertido em que Chan mostra que o drama não é o seu forte e que o enredo é bastante obsoleto. As lutas são bem coreografadas, mas há um excesso de cortes algo que é um incômodo.

A direção de Campbell é eficiente nas sequências em que as explosões, as perseguições, ou as emboscadas são desenvolvidas.  Em suma, O Estrangeiro sofre com a tentativa de um drama e tenho a sensação de que não consegue criar uma atração poderosa  o suficiente para se justificar. Está bem construído, mas carece de algo atrativo, intriga e mais do que um duelo entre Chan e o ex-007 que até o tornam duradoura na memória. No caso de você querer se estabelecer como um primeiro passo para construir uma franquia, espero que eles deixem Chan sorrir e nos deleitar com o que ele faz melhor: nos dê a coreografia imaginativa e inspirada (e para ser um fundo mais credível).

O Estrangeiro- 2017 ( The Foreigner- China/Reino Unido)

Direção: Martin Campbell

Roteiro: Stephen Leather, Peter Buchman, David Marconi

Elenco: Jackie Chan, Pierce Brosnan, Orla Brady, Rory Fleck-Byrne, Charlie Murphy, Liu Tao, Michael McElhatton, Lia Williams, Katie Leung, Ray Fearon, Shina Shihoko Nagai, Manolo Cardona, Simon Kunz, Dermot Crowley, Pippa Bennett-Warner, Roberta Taylor, Rufus Jones, Niall McNamee, Jorge Leon Martinez, Dilyana Bouklieva

Duração:(1h 54min)