Crítica | O Ritual (2018)

David Bruckner passou a dirigir seu primeiro filme solo com O Ritual , o novo filme original que a Netflix lançou em sua plataforma. Como em outras ocasiões, o gigante de streaming assumiu o controle dos direitos do filme em setembro do ano passado, depois do sucesso que ganhou no circuito do festival.

Quatro velhos amigos da universidade planejam uma viagem com a qual deixar a rotina habitual de seus encontros alcoólicos: uma trilha por Kungsleden, o caminho do rei na Suécia. Submerso na floresta e longe da civilização, nossos protagonistas, interpretados por Rafe Spall ( Prometheus ), Arsher Ali , Robert James-Collier(Abadia de Downton) e Sam Troughton ( Alien vs. Predator ); eles começarão a sofrer o assédio de uma presença terrível cuja origem eles vão descobrir em breve.

Temos os colegas típicos, muito próximos dos tempos universitários desenfreados, que se juntam para fazer a típica viagem de férias, álcool que seus anos de juventude os acostumaram. Os anos, no entanto, não passam em vão e você logo descobrirá o quanto eles mudaram desde então. Depois de um gatilho desencadeado por um ato tão violento como inesperado, o plano de viagem se concentrará em uma rota de caminhada pelas montanhas da Suécia, na qual eles se tornarão presas de uma criatura ancestral assustadora.

Alguns logo lembrarão de A Bruxa de Blair. De fato, David Bruckner recupera a novela bem sucedida de Adam Nevill que, por sua vez, repete uma fórmula que é um velho conhecido de cinemas. A premissa não é o seu ponto forte e o rótulo de “original” que adorna o título na Netflix será tão próximo quanto possível de uma possível novidade , mas a duração (quase uma hora e meia) e a formalidade de sua produção tornam ela é uma fita apropriada para a plataforma.

A câmera é utilizada sem excessos brilhantes, cuja trama e estrutura não são imaginativas. Essa perda de eficácia para surpreender aqueles que já têm alguns trabalhos de autor do gênero por trás deles limita as possibilidades da estréia. O tema pagão e o gênero independente de que ele quer pertencer nos lembram da requintada A Bruxa de Robert Eggers e a comparação é um ”grande inimigo”, se formos comparar o equilíbrio no jogo de tensão e beleza perturbadora oferecida pelas cenas de ambas as produções.

Temos alguns personagens simples com uma trilha sonora simples, em um ambiente ainda mais simples e, mesmo assim, cumpre seu papel. O Ritual é um longa  que entretêm para fazer com que sua visualização valha a pena. O terceiro ato do filme  beneficia muito, afastando-se de tudo o que foi mencionado anteriormente e oferecendo uma resolução que, embora previsível, é efetiva. Na verdade, serão seus personagens e o confronto constante com os estereótipos do gênero que oferecem essa ponta que se conecta diretamente com as sensações dos espectadores antes de uma trama tão explorada.

O Ritual é um filme de terror bastante irregular. Embora caminha-se em caminhos muito desgastados do gênero e não ofereça ótimas soluções para ”decorar” a rota, a construção, o manejo do ritmo e a introdução de um novo esquema para a seção psicológica de seus personagens, torna-o uma produção apenas agradável. Embora não ofereça o terror e a tensão suficientes para mergulhar os espectadores, é uma aproximação mais comercial que a Netflix necessitava para sua audiência.

O Ritual – 2018 ( The Ritual – Netflix)
Direção: David Bruckner.
Roteiro: Joe Barton.
Elenco: Rafe Spall, Arsher Ali, Robert James-Collier, Sam Troughton, Paul Reid, Matthew Needham, Jacob James Beswick, Maria Erwolter.
Duração: 94 minutos.