Recomendação | Kimetsu no Yaiba: Demon Slayer

Kimetsu no Yaiba é um dos grandes sucessos de 2019, e eu fui um dos que foram fisgados pelo anime, e o trabalho acima da média feito pelo estudio Ufotable. Apenas quando terminei a primeira temporada que procurei o mangá, e acredito que muitos fizeram isto também.

Demon Slayer ou Kimetsu no Yaiba conta a história do jovem Tanjiro e sua família ganham a vida vendendo carvão. Em um inverno frio, ele desce a montanha até a vila para vender suas mercadorias e volta para casa para uma cena de um pesadelo. Sua mãe e irmãos foram massacrados por um demônio e sua amada irmãzinha foi transformada em demônio. Tanjiro procura uma maneira de devolver a humanidade de sua irmã Nezuko. Embora pareça impossível, um jovem matador de demônios chamado Giyu oferece um fino raio de esperança. Se Tanjiro pode se tornar um matador de demônios, ele poderá obter as informações de que precisa dos demônios antes de matá-los. Mas o caminho para se tornar um matador de demônios é árduo. Giyu dá a Tanjiro o nome de um professor e assim começa sua jornada.

Mergulhado no sobrenatural, Demon Slayer Kimetsu no Yaiba tem um enredo envolvente que se move a um bom ritmo , equilibrando ação e desenvolvimento de personagens. Tanjiro luta, trabalha e luta, nunca desiste, embora seja fácil ver que sua compaixão e moral serão testadas em volumes futuros. Infelizmente, na metade do primeiro volume, a irmã demoníaca de Tanjiro, Nezuko, fica de lado, drenando parte da tensão enquanto o mangá muda para o modo de treinamento. Mas o treinamento é imaginativo. Tanjiro tem uma habilidade incomum: ele é um super cheirador, capaz de detectar as menores fragrâncias e suas origens. De alguma forma, isso também permite que ele cheire o momento ideal para atacar.

A história é bem trabalhada e os personagens intrigantes, mas o cenário é talvez muito mortal para a sobrevivência da raça humana, como as coisas são mostradas. A arte não é chamativa é mediana, mas em vez de parecer desenhos ásperos ou composições fotográficas traçadas, o Demon Slayer parece ter sido esculpido e impresso em blocos de madeira. Os personagens são bem desenhados e a rigidez os fundamenta em um mundo sombrio que obras de arte mais arejadas e com linhas delicadas não seriam capazes de alcançar. Pretos sólidos e padrões fortes quebram o cenário de inverno nevado na primeira metade do mangá.