Autora de Kimetsu no Yaiba ganhou muito pouco com o filme anime

O filme anime Kimetsu no Yaiba: Infinity Train (Gekijouban Kimetsu no Yaiba: Mugen Ressha Hen) baseado no mangá de Koyoharu Gotouge está a bater todos os recordes angariando já mais de 265 milhões de dólares (27.5 bilhões de ienes), mas muito pouco deste dinheiro vai chegar às mãos da autora do mangá.

O filme anime Kimetsu no Yaiba: Infinity Train (Gekijouban Kimetsu no Yaiba: Mugen Ressha Hen) baseado no mangá de Koyoharu Gotouge está a bater todos os recordes angariando já mais de 265 milhões de dólares (27.5 bilhões de ienes), mas muito pouco deste dinheiro vai chegar às mãos da autora do mangá.

Sugimoto estima que no máximo a taxa dada à Shueisha pelos direitos da história foi de apenas cerca de 4 milhões de ienes (38 mil dólares), com apenas 2 milhões de ienes (19 mil dólares) indo para Gotouge diretamente pelo filme anime. Sugimoto observou que, como a Shueisha é uma das três empresas no comité de produção do filme – incluindo Aniplex e Ufotable-, eles receberão uma quantia considerável de volta dos lucros de bilheteira, em comparação com outros comités de produção que podem ter mais de 10 parceiros. Isto ocorre depois dos cinemas também receberem a sua parte.

Hideaki Sorachi, o criador de Gintama, mencionou no Volume 51 que “independente de quantas pessoas assistam ao filme ou de quanto seja o lucro bruto, nem um único iene vai para o autor. Recebemos apenas uma taxa de licença inicial”

Em média, o criador original de uma obra – seja de um mangá, livro ou nove – receberia 1,75% como royalties na compra de um lançamento de um DVD/BD no Japão e 3,35% do aluguer da sua obra. Em 2013, o presidente da C&I Entertainment, Osamu Kubota, explicou que um filme de sucesso poderia render mais de 10 milhões de ienes (96 mil dólares) em “taxas de uso secundário” para os criadores ao contabilizar 10.000 vendas de DVD e 10.000 alugueis.

Fonte: crunchyroll