Crítica | Liga da Justiça de Zack Snyder (2021)

Liga da Justiça de Zack Snyder é a versão original do diretor Zack Snyder, com alguns acréscimos.  Após movimentar a campanha #ReleaseTheSnyderCut pelas redes sociais para que o cineasta realizasse sua edição, Snyder finalmente chegou a um acordo com a Warner para fazer seu Snyder Cut e lançá-lo diretamente na HBO Max como uma das principais reivindicações da nova plataforma da WarnerMedia .

Após os eventos de Batman vs Superman: A Origem da Justiça ,  Bruce Wayne começa a reunir Diana Prince com planos de recrutar uma equipe de metahumanos para proteger o mundo de uma ameaça iminente de proporções catastróficas e, assim, garantir o sacrifício final do Superman não foi em vão.

A tarefa é mais difícil do que Bruce imaginou, já que cada um dos recrutas deve enfrentar os demônios de seu próprio passado para transcender o que os impediu, permitindo que se unissem e, por fim, formassem uma liga de heróis sem precedentes. Agora unidos, Batman, Mulher Maravilha, Aquaman, Cyborg e The Flash podem ser tarde demais para salvar o planeta de Steppenwolf, DeSaad e Darkseid e suas terríveis intenções.

Enquanto se falava que o Snydercut da Liga da Justiça seria uma minissérie de quatro episódios de uma hora cada, foi recentemente confirmado que o corte de Snyder seria um único filme de quatro horas no qual Zack Snyder incluiu cenas. O filme é dividido em 6 capítulos, então vejo o porque do rumor, até que funcionaria bem. Você pode dar pausa durante os capítulos para não ficar cansativo, e retornar depois. Em qualquer caso, além dessas divisões explícitas, é claro que existem duas metades no filme . O primeiro enfoca as origens dos diferentes membros da Liga da Justiça e o que a ameaça do Lobo da Estepe envolve . A segunda já coloca as peças mais em movimento e caminha para o clímax.

Nesse sentido, fica claro que a primeira parte é a mais fraca das duas , devido a um desenvolvimento lento, muito lento, recheado de “momentos Snyder” que se saturam: muitos tiros abrandados para tudo, pequenos interlúdios líricos que são param para refletir sobre aspectos que não contribuem muito para o todo. Mas todas as cenas do Barry e principalmente do Cyborg, Victor Stone compensam, o personagem foi totalmente apagado na versão do Whedon, e aqui vemos um melhor desenvolvimento para ele.

Ao todo, a Liga da Justiça de Zack Snyder é uma obra complexa , épica  que oferece uma visão mais sincera e mais clara do que o atordoado produto original. Como tal, é um filme melhor e, independentemente da sua qualidade cinematográfica. O filme em si, é visivelmente, e totalmente independente seguindo uma visão diferente do que o DCEU está seguindo, principalmente na parte dos Atlantes, Mera, que comenta eventos do passado dos Atlantes,  diferente daquele que vimos em Aquaman.

As melhorias perceptíveis em personagens como Flash com cenas de tirar o fôlego no final e na ação com Lobo da Estepe. Darkseid é um vilão muito ameaçador, e visualmente está incrível. Um filme ambicioso, espetacular e, sem dúvida, melhor que o original. Ora, isso não o impede de ser muito irregular no tom e nas várias facetas do que quer contar. Se você é um fã do Snyder então, vai gostar muito.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.