Futuro de Doctor Who é seguro, não importa o que aconteça com a BBC

A BBC está sob crescente pressão financeira – mas o futuro de Doctor Who estará seguro mesmo assim. O panorama da mídia britânica é muito diferente do americano, em grande parte por causa da existência da BBC. É uma emissora de serviço público, financiada principalmente por uma taxa de licença que todos no Reino Unido que possuem uma televisão são legalmente obrigados a pagar. A BBC tem um mandato único, executando muitos serviços que são considerados benéficos para a sociedade, mas não lucrativos – incluindo uma campanha educacional massiva durante a pandemia, para ajudar as crianças a aprender em confinamento. Mas o financiamento, no entanto, significa que a BBC é um assunto de controvérsia política.

No fim de semana, a secretária de Cultura do Reino Unido,  Nadine Dorries anunciou que a taxa de licença será congelada pelos próximos dois anos – um corte em termos reais que surpreendeu os executivos da BBC, que esperavam uma decisão mais generosa. Posteriormente, ela foi ao Twitter para declarar sua intenção de encerrar a taxa de licença após 2027, o que significa que a BBC teria que mudar para um modelo de pagamento totalmente diferente.

Na verdade, Dorries estava exagerando; nenhum governo pode amarrar as mãos de seu sucessor, e certamente haverá uma eleição geral até 2027. Ainda assim, a declaração de Dorries deixou a vulnerabilidade financeira da BBC clara para o público pela primeira vez. Fãs de grandes programas da BBC, como Doctor Who, estão compreensivelmente profundamente preocupados com seu futuro – especialmente considerando que Doctor Who já está passando por um momento de mudança . Mas esses medos, felizmente, são em sua maioria infundados.

A distribuição internacional dessas super-marcas as torna tremendamente valiosas para a BBC Worldwide, o braço comercial da BBC Studios, o que significa que elas são, na verdade, uma importante fonte de renda além da taxa de licença. Ironicamente, então, o anúncio de Dorries torna essas super-marcas ainda mais importantes – e já há sinais de que a BBC está garantindo o futuro de Doctor Who. Russell T. Davies está retornando como o próximo showrunner, e Davies já deu a entender sua visão – com sugestões de que ele quer construir Doctor Who como uma franquia transmídia, completa com spinoffs.

Enquanto isso, nos últimos anos, a BBC se afastou de seus modelos tradicionais de produção para acordos de coprodução – com parceiros frequentemente co-financiando em troca de alguns direitos de distribuição e um grau de criatividade. Isso permitiu que a BBC criasse programas muito mais caros em um momento em que suas próprias finanças estão esticadas; The Night Manager , por exemplo, custou cerca de £ 3 milhões por episódio em um momento em que os orçamentos das emissoras do Reino Unido para dramas do horário nobre raramente excedem £ 700-800.000 por hora. 

É impressionante, então, que o anúncio do retorno de Davies tenha sido acompanhado de notícias de que  Doctor Whoseria posteriormente co-produzido pela Bad Wolf Studios, embora os detalhes deste acordo em particular sejam desconhecidos. Ainda assim, é razoável supor que há um grau de co-financiamento envolvido. Isso potencialmente permitiria  que Doctor Who competisse na era do Disney+ , que, de acordo com o showrunner Chris Chibnall, é a principal prioridade comercial do programa no momento.

Em suma, os fãs  não precisam se preocupar muito com o futuro de  Doctor Who . As finanças da BBC podem estar sob pressão sem precedentes agora, mas a série de TV de ficção científica mais longa do mundo é simplesmente importante demais para a BBC deixar fracassar.

Fonte: SCR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *