Crítica | Lightyear (2022)

Lightyear filme da Pixar que adapta a história de Buzz Lightyear não como boneco na vida real, e sim como personagem real dentro de seu universo cinematográfico. Com voz de Chris Evans, direção de Angus MacLane e no roteiro Jason headley ficou como o responsável.

O longa segue o lendário cowboy espacial em uma aventura intergaláctica ao lado de um grupo de recrutas ambiciosos , e seu companheiro robô Sox. Buzz tenta constantemente diferentes fórmulas para atingir a hipervelocidade espacial, embora isso torne a passagem do tempo diferente para ele e para o resto dos sobreviventes. Tudo se complica com a chegada do temível Zurg e seus implacáveis ​​robôs, que forçarão Buzz a repensar sua missão e aprender a trabalhar em equipe com uma nova equipe de recrutas chamada Darby. 

Lightyear é um filme que no geral, tem mais potencial para agradar adultos do que crianças. O filme é carregado de valores positivos: perseverança, tolerância ao fracasso, capacidade de aprender com os erros, de sacrificar objetivos de sonho. Claro que, para que possam digerir todas essas mensagens, será necessário que adultos e crianças realizem até uma reflexão posterior conjunta da qual possam extrair toda a substância do filme.

O filme é claro apesar de sua relativa complexidade de enredo e consegue apresentar suas ideias, também é visualmente muito rico. A concepção do tempo para uma versão light de Interestelar e tudo brilhantemente embalado com sequências de ação muito dinâmicas onde a câmera se move entre os personagens .

A fábrica Disney/Pixar tenta continuar dando passos no sentido de normalizar as diferentes relações familiares , a inclusão de grupos sub-representados em filmes de aventura como os LGBT, a criação de equipes heterogêneas e multidisciplinares. Agora ele precisa lidar com isso de uma maneira mais natural e organizada. Ao longo do caminho, às vezes é sacrificado o senso de humor , que funciona regularmente quando aparece e fica quase restrito a Sox, a grande estrela do filme.

O gato robótico Sox, serve de apoio emocional do herói é o principal repositório de algo tão esperado neste filme como o relaxamento humorístico. Em breve, as vozes serão levantadas para que ele seja um personagem mais desenvolvido em uma série ou filme spin-off de Lightyear .Em relação à direção de Angus MacLane , co-diretor de Procurando Dory e profissional responsável pela animação de vários produtos da casa, como WALL-E ou Up , entre muitos outros, deve-se dizer que ele faz um ótimo trabalho.

Em suma, o filme pode surpreender pelo seu tom, mas é inegável que é uma jornada interessante e, com certeza, uma das estreias mais marcantes da semana que os amantes da Pixar vão querer assistir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.