Crítica | Top Gun: Maverick (2022)

Cinematograficamente falando, Top Gun: Maverick é muito superior ao primeiro de 1986 . Com uma montagem muito mais fluida e uma história na que reina a aventura acima de tudo.

Top Gun: Maverick nos move três décadas para nos contar como a reputação de Pete Mitchell, também conhecido como Maverick, tem obscurecido seu trabalho futuro.  Ele é, sem dúvida, um dos melhores aviadores das forças armadas e tem uma longa história de condecorações, medalhas e citações, além de feitos lendários, mas também tem fama de ser imprudente e nunca saber parar e continua a pesar em sua consciência a morte de seu companheiro Ganso, da qual ele nunca se recuperou totalmente.

Em grande parte, isso ocorre porque seu filho, Bradley Bradshaw  seguiu os passos de seu pai, tornando-se uma cópia dele. O fato é que os tempos mudaram e com eles a geração de aeronaves: Maverick terá que se familiarizar com as novas tecnologias e defender suas habilidades como piloto contra a incursão de drones e dispositivos de controle remoto.

Para fazer isso, ele será encarregado de uma missão suicida: contornar o radar do inimigo em tempo recorde, aventurar-se em um alívio impossível para bombardear seu quartel-general e escapar a tempo antes que os  ataquem. E ele não será capaz de fazer isso sozinho, mas precisará treinar a nata do exército para realizar a tarefa.

Um trabalho árduo para os roteiristas Peter Craig , co-autor de um dos maiores sucessos de bilheteria do ano, The Batman , e o brilhante Chris McQuarrie , com quem Tom Cruise estabeleceu uma simbiose brutal. McQuarrie sabe fazer brilhar a sua estrela, sem descuidar a história que o rodeia e Cruise, que parece ter nascido para grandes desafios, é feliz a pilotar, a conduzir uma moto, um carro ou o que lhe derem  e também alimentando seu ego ao máximo. Bom para ele e bom para nós que apreciamos o seu entusiasmo, dedicação e enorme profissionalismo .

São tantas as semelhanças entre Top Gun e Top Gun Maverick que fica quase mais fácil apontar as diferenças, que têm a ver principalmente com o terço final do filme. De resto, tudo é familiar: desde o início traçado com a fotografia lindíssima e a trilha sonora que nos leva de volta no tempo até a introdução de Mav como instrutor da nova geração de pilotos de elite.

O melhor de Top Gun: Maverick é a forma como homenageia Tony Scott e como, a partir do respeito pelo que fez o primeiro filme grande, ele sabe transformá-lo em algo mais polido e digerível para o público atual, com muito menos ” panfletos” das Forças Armadas e deixando o risco guiar o drama.  É um blockbuster muito funcional que deixa um excelente sabor na boca.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.