Crítica | Agente Oculto (2022)

Os irmãos Russo atacam novamente, agora trazem o filme Agente Oculto estrelado pelo Chris Evans, o ex Capitão América do MCU, e o outro talentoso Ryan Gosling.  Um filme com temática de espionagem, e não é necessário ter habilidades de detetive  para notar a enorme semelhança deste filme com Identidade Bourne , Missão: Impossível ou outros filmes semelhantes.

O material que serve de base é o livro The Gray Man, que serve como título do filme original, publicado em 2009 por Mark Greaney, conhecido por ter sido colaborador de Tom Clancy em sua última etapa e por ter dado continuidade ao personagem de Jack Ryan após sua morte em 2013 . O sucesso literário de “The Gray Man” levou a mais oito livros depois: “On Target” (2010), “Ballistic” (2011), “Dead Eye” (2013), “Back Blast” (2016), “Gunmetal Grey” (2017), “Agent in Place” (2018), “Mission Critical” (2019), “One Minute Out” (2020), “Relentless” (2021), “Sierra Six” ( 2022) e mais um está previsto, “Burner”, em 2023. Há mais do material o suficiente para construir seu próprio universo cinematográfico em torno do personagem principal, inclusive os irmãos Russo comentaram sobre a possibilidade.

Na trama Court Gentry (Ryan Gosling), cujo codinome como ativo da CIA é Sierra Six , que é um assassino prodigioso da CIA . Tudo dá errado quando ele em uma missão vai de encontro com Lloyd Hansen (Chris Evans), um ex-contratado da Agência que está determinado a matá-lo, não importa o quanto ele se esconda usando todos os recursos. Felizmente para Six, a agente Dani Miranda (Ana de Armas) está de volta enquanto uma implacável caça ao homem acontece pela Europa.

Em grande parte é um filme clássico do tipo, bastante puro no que diz respeito ao gênero, embora os Russos tenham dado um novo toque na direção usando aviões com drones (semelhante ao que Michael Bay fez em Ambulância), que acabou dando muito mais dinamismo nas cenas.

Embora talvez o mais marcante sejam algumas inconsistências no roteiro: Chris Evans consegue criar um vilão sádico um tanto engraçado em seu nível de psicopatia, o que faz com que ocorram fogos cruzados que fazem fronteira com o absurdo. E a Ana de Armas dá mais um passo à frente depois de sua aparição aplaudida em Sem Tempo Para Morrer para estrelar seu próprio filme de ação. Em Agente oculto volta a fazer um bom trabalho, mas fica num plano secundário que não faz jus ao seu talento. Nós queremos mais! E parece que vamos conseguir em Ballerina , o spin-off de John Wick .

Em suma ,  Agente Oculto é um grande espetáculo que vai deixar o público saciado . Não é um trabalho perfeito, tem sequências de ação bem construídas e personagens carismáticos, mas poderia ter polido várias partes para ser um projeto mais arredondado, e abre possibilidades interessantes para que a Netflix possa explorar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.